Carregando ...
 
Buscar

Mulheres empreendedoras estão em com tudo

Negócios liderados por mulheres ainda é menor comparado aos homens, porém elas são fonte de força e superação, trazem mais lucratividade, e mostram como é estar a frente de setores dominados por homens



Lugar de mulher é pilotando um fogão ou um carro, empreendendo em casa ou no escritório. Afinal, lugar de mulher é onde ela quiser estar! Segundo dados da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), somente na pandemia o empreendedorismo feminino cresceu 40%. Já a rede Mulher Empreendedora (RME) aponta que 55% das empresárias brasileiras abriram o próprio negócio nos últimos três anos. Destas, 26% abriram o negócio durante a pandemia. Muitas delas acabaram empreendendo por necessidade.



Conheça duas histórias inspiradoras para o Dia Internacional da Mulher, que estão na linha de frente da franquia Acquazero – maior rede especializada em estética automotiva do Brasil:



Largou a carreira para empreender


Ser dona do próprio negócio nem sempre é uma decisão planejada. Mas presente hoje em vários setores, as mulheres vêm ocupando cargos tidos ainda como masculino, como indústria, e principalmente, na prestação de serviço por meio das microempresas.


Andrea Ferreira Raposo, de 48 anos, conseguiu se sobressair em segmento tocado, em sua grande maioria, por homens. Há três anos abriu um espaço físico da franquia Acquazero – especializada em estética automotiva – no bairro de Jacarepaguá, na cidade do Rio de Janeiro. Durante um ano o negócio era conduzido pelo seu marido e sócio Renato Raposo, e ela seguia sua rotina em emprego fixo como gerente administrativa de uma empresa de controle de pragas.


No início da pandemia, em 2020, resolveu pedir demissão para ajudar o marido no negócio familiar. “O Renato cuidava até então de toda a gestão, parte comercial, administrativa, operacional. Era muito trabalho, que por um lado era ótimo ver o negócio sempre cheio, porém nessa época meu esposo chegou a emagrecer 14 quilos devido a correria do dia a dia, então resolvi ajudá-lo”, relembra a franqueada.


No primeiro mês que mudou de forma integral para o empreendimento, ela conseguiu quase duplicar o faturamento bruto para R$ 22 mil mensal - hoje esse número já chega a quase R$ 30 mil. A estratégia foi agregar os serviços residenciais, recém-lançado na época pela franqueadora, na rotina do negócio. A procura pela higienização e lavagem de estofados tomou grande proporção na pandemia devido as pessoas ficarem mais tempo em casa, e na preocupação de acabar com vírus e bactérias.


“Mesmo tendo como carro-chefe a lavagem ecológica automotiva, os serviços de limpeza residencial proporcionaram ainda mais visibilidade para minha unidade. Posso afirmar que 30% das nossas vendas são através de indicações. Logo em seguida, também partimos para limpeza em frotas e vem dando muito certo”, diz.


Além de Andrea e Renato, que conduzem a operação em um espaço de 110m2, a equipe é composta por dois lavadores homens e uma mulher, a Jane Dias, que Andrea afirma ser seu braço direito e esquerdo no negócio.


“O homem pode até ter a força física que muita de nós não temos, mas a mulher é mais detalhista, caprichosa. E são nos pequenos detalhes que ganhamos o cliente, que repara em tudo, inclusive se o serviço foi bem executado ou não”, conta.

A empreendedora revela que durante o tempo que vem atuando a frente da franquia nunca sentiu preconceito por parte dos clientes, sendo a maioria homens. Pelo contrário, a receptividade no negócio foi tão boa que em pouco tempo ela deu um novo passo na vida de empresária e se tornou desenvolvedora de área da rede, ou seja, ela também é master franqueada no estado do Rio de Janeiro, e auxilia no suporte de cerca de 70 operações. Além do mais, ela tem como papel oferecer treinamento a novos franqueados e colaboradores na sua região de atuação.


Para Andrea o segredo está em não criar rótulos. “Se tornar uma mulher bem-sucedida não está no papel em que ela desempenha, como ser uma mulher num mundo rodeado por homens, mas sim nos resultados atingidos, e isso naturalmente impõe respeito. Há 25 anos tenho ao meu lado o meu marido que é o maior incentivador, o que torna todo o nosso trabalho ainda mais leve, pois um ajuda o outro sempre”, finaliza.




Sem deixar a opinião alheia limitar o seu propósito



A jovem Rayssa Lucena, de 23 anos, é referência em seu trabalho como gerente na unidade piloto da franquia Acquazero, em Belo Horizonte (MG). Apesar da pouca idade, Rayssa lida diariamente com uma equipe de 14 pessoas, sendo 13 deles homens.

Além de lidar com questões administrativas do negócio, também é responsável por vistoriar o controle de qualidade de todos os veículos que passam no pátio da loja, bem como o suporte da equipe de vendas. E sempre que necessário ela também coloca a mão na massa para fazer a limpeza ou qualquer outro tipo de serviço na empresa.

“Já sofri muito preconceito sim por ser mulher! Ao explicar um determinado serviço não me deram muita credibilidade por ser mulher. Depois que viram minha experiência e capacidade mudaram a visão sobre mim. Hoje já tenho uma credibilidade com a equipe que atuo, porém é inevitável na primeira impressão não sofrer preconceito”, conta Rayssa.

Apaixonada por carros, o segmento de limpeza automotiva despertou sua atenção desde pequena e hoje a jovem afirma ter se encontrado com a profissão. “Eu gosto muito do ramo, então isso ajuda muito a desenvolver ainda mais quando você se identifica com a atividade. Meu objetivo é se tornar referência dentro do meu trabalho, e para isso, conto muito com o apoio da franqueada da unidade que atuo, Joelma Lima, que também é uma mulher guerreira e uma das minhas referências como empreendedora dentro da franquia”, finaliza.