Estudo revela os maiores salários dos atletas e a lista dos times com as maiores folhas salariais



A pandemia afetou em cheio a receita dos clubes brasileiros. Estima-se que houve uma perda de 1 bilhão de déficit ao considerar os 20 principais clubes.


Com a perda de receita dos últimos tempos, praticamente todos os clubes tentaram diminuir o custo com a folha salarial, seja realizando empréstimos ou mesmo liberações.


No caso do Flamengo, sempre se teve uma das maiores folhas salariais do futebol brasileiro. O atual bicampeão brasileiro e tricampeão carioca, obteve estes resultados com o investimento pesado nos salários dos atletas. Atualmente o Rubro-Negro é o time com a maior folha salarial do Brasil, com um gasto de aproximadamente R$ 23 milhões de reais por mês.


É que revela um estudo realizado pela plataforma CupomValido.com.br sobre a folha salarial dos clubes no Brasil. Foram considerados salários CLT, direito de imagens e luvas (valor adicionais pago no início do contrato).


Os jogadores que atuam como atacantes, são na média os que ganham os melhores salários. Este é o caso do Dudu do Palmeiras, que é o atleta mais bem pago do Brasil com um salário de R$ 2,1 milhões por mês.



1º) Flamengo (R$ 22,7 milhões)


O Flamengo é o primeiro no ranking, com a maior folha salarial do Brasil, um investimento de mais de R$ 22,7 milhões por mês.


Pelo menos quatro atletas ganham perto ou mais de R$ 1 milhão por mês ao levar em consideração o salário CLT e direitos de imagens.


O atacante Gabriel Barbosa é o jogador mais bem pago dentro da Rubro-Negro, com o salário de R$ 1,6 milhão por mês. Em seguida ficam em empate o atacante Bruno Henrique, o meia Vitinho, e o lateral Filipe Luís, todos com salário de R$ 1 milhão por mês.


2º) Palmeiras (R$ 18 milhões)


Com um aumento de mais de R$ 4 milhões na folha salarial nesta janela de transferências, o Palmeiras está em segunda colocação no ranking, com uma folha salarial de R$ 18 milhões por mês.


O atacante Dudu é o jogador com o maior salário do futebol brasileiro, com R$ 2,1 milhões por mês. O lateral Jorge, é o segundo jogador mais bem pago do Verdão, com o salário de R$1 milhão por mês. Em seguida fica o meia Matheus Fernandes com R$ 700 mil por mês.


3º) Atlético Mineiro (R$ 16,7 milhões)


O Atlético Mineiro é o 3º time com um dos maiores investimentos na folha salarial. Nesta temporada o Galo trouxe nomes de peso como Diego Costa, Nacho Fernández e Hulk, que fez com que o investimento com a folha salarial passasse para R$ 16,7 milhões por mês.


Hulk e Diego Costa são os jogadores do Atlético Mineiro que recebem os maiores salários, R$1,3 milhão por mês. Nacho Fernandéz fecha o trio atleticano, com o salário de R$ 1,1 milhão por mês.


4º) Grêmio (R$ 14,5 milhões)


Apesar de diversas chegadas e saídas, o Grêmio manteve o mesmo custo da folha salarial, atualmente em R$ 14,5 milhões por mês. Thiago Santos, Rafinha e Douglas Costas, foram as 3 contratações da temporada.


Geromel fica em terceira posição com R$ 700 mil por mês. Miguel Borja fica em segundo lugar, com R$ 780 mil mensais. Por fim, o meia Douglas Costa recebe R$ 800 mil por mês, e é o jogador mais bem pago do Grêmio.


5º) Corinthians (R$ 14,3 milhões)


O Corinthians havia diminuído sua folha salarial de R$ 14 milhões para R$ 10 milhões, porém após a contratação de Giuliano, Róger Guedes, Willian e João Pedro, a custo subiu novamente agora para R$ 14,3 milhões mensais.


O atacante Willian é o jogador mais bem pago do Corinthians, com um salário de R$ 1,5 milhão por mês. Giuliano e Róger Guedes ficam empatados com um salário de R$ 1 milhão por mês.


6º) São Paulo (R$ 13 milhões)


Em 2021 a meta do São Paulo era diminuir entre 10% e 15% a folha salarial. Pelo menos 8 nomes foram liberados, o que deixaram de custar mensalmente mais de R$ 4 milhões. Após empréstimos, novas chegadas e liberações, atualmente o valor da folha salarial está em 13 milhões por mês.


Daniel Alves é o jogador mais bem pago do São Paulo, com um salário de R$ 1,4 milhão por mês. Joao Rojas recebe quase a metade de Daniel, R$ 820 mil mensais. Em terceira posição fica o Pablo, com o valor de R$ 400 mil por mês.


7º) Internacional (R$ 7,5 milhões)


Com um forte processo de enxugamento, o Inter liberou 30 jogadores e teve uma economia de 25% na folha salarial. Atualmente o valor está em R$ 7,5 milhões por mês.


O meia Edenílson recebe cerca de R$600 mil por mês e é o terceiro jogador com o maior salário do Internacional. Em segunda posição, fica Taison, recebendo R$ 650 mil mensais. O jogador mais bem pago do Inter é o Guerrero, com R$ 800 mil por mês.


8º) Santos (R$ 7,3 milhões)


Santos também foi um dos times que diminui a folha salarial, no total foram mais de R$ 2,5 milhões. Atualmente o valor está em R$ 7,3 milhões por mês.


No caso dos Santos também temos um dos poucos casos em que um zagueiro recebe o maior salário do time. Luan Peres é o jogador mais bem pago do Peixe, com R$ 500 mil por mês. Em seguida fica Carlos Sánchez e Marinho, com R$ 490 mil e R$ 400 mil respectivamente.


9º) Athletico Paranaense (R$ 5,1 milhões)


O Athletico Paranaense é um dos times com uma das melhores situações financeiras, e com um gasto de R$ 5,1 milhões com a folha salarial. O clube teve um leve aumento com a contratação de Matheus Babi.


O atacante Carlos Eduardo é o jogador mais bem pago do Athletico, com um salário de R$ 450 mil por mês. Em segundo lugar fica Jonathan com R$ 250 mil, e em terceiro Léo Cittadini com R$ 230 mil.


10º) Fluminense (R$ 4,2 milhões)


O Fluminense teve aumento de R$ 1 milhão na folha salarial. O valor está em R$ 4,2 milhões por mês.


Nenê é o terceiro jogador mais bem pago, com um salário de R$ 300 mil por mês. O Ganso é o segundo colocado, com R$ 300 mil. E com um salário de R$ 500 mil mensais, o Fred é o jogador mais bem pago do Fluminense.



CONFIRA O GRÁFICO COMPLETO PRODUZIDO PELA CUPOMVALIDO.COM.BR




#ESPORTE #ECONOMIA

Sete em cada dez entrevistados do país não conseguem passar um dia sem o celular



A segunda edição do Global Pre-Paid Index (GPI) da Ding aponta o Brasil como a nação amiga dos apps e que tem alta confiança nas plataformas de mídias sociais. De acordo com a pesquisa, o alto nível de confiança nas plataformas de rede chega a 80%, com o país ocupando a 4.ª posição em todos os mercados apurados. Em relação aos aplicativos mais populares, o WhatsApp se destaca como o aplicativo mais usado no Brasil (85%). É seguido por Instagram (76%), Facebook Messenger (65%) e Netflix (60%).



A pesquisa global, conduzida em setembro pela Ding, líder mundial em serviço de recarga de celular, examinou as opiniões de 6.250 entrevistados em oito mercados: Brasil, México, Índia, Indonésia, Filipinas, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Alemanha e Nigéria.


Usuários brasileiros entre os maiores dependentes do celular


Independentemente da situação econômica, os celulares foram citados como a primeira coisa que os brasileiros não podiam passar um dia sem utilizar: a afirmação foi feita por sete em cada dez entrevistados (68%). Isso é maior que falar com a família (54%), navegar nas redes sociais (42%) ou falar com amigos (26%).


O estudo também descobriu que os brasileiros continuam a ser uma das principais nacionalidades no mundo a enviar e receber recarga de amigos e familiares. Seis em cada dez (59%) brasileiros enviaram ou receberam recargas pré-pagas nos últimos seis meses, com 29% enviando e 36% recebendo diariamente ou semanalmente.


“É evidente, a partir de nosso estudo, que enviar e receber recarga é uma tendência importante, pois as pessoas permanecem conectadas. Esperamos que o uso dessas ferramentas continue crescendo à medida que o mundo se movimenta digitalmente, onde precisamos de nossos telefones não apenas para falar uns com os outros, mas para administrar nossas vidas”, analisou o fundador e presidente-executivo da Ding, Mark Roden.


O país também está entre os maiores usuários de serviços de telefonia pré-pagos em todo o mundo, quando comparados às outras grandes economias em desenvolvimento, de acordo com . A pesquisa apontou que 86% dos brasileiros utilizam o serviço pré-pago, atrás apenas da Arábia Saudita (89%), entre os países pesquisados. Isso é maior que os 82% que usam serviços pré-pagos no México, país relevante no mercado latino-americano.


“O Brasil mostra uma preferência massiva por opções de celular pré-pago. A flexibilidade oferecida pelos serviços pré-pagos é muito mais atraente para a maioria do mercado brasileiro do que as caras opções de contratos de longo prazo”, comentou Roden.

Pré-pago é a opção de quem quer maior controle sobre o orçamento


As principais razões que os brasileiros citaram ao optar pelo pré-pago foi que isso os ajudava a fazer um orçamento melhor (37%) e que eles queriam pagar apenas pelo que usavam ou precisavam (35%).


Isso pode estar ligado a uma crise de confiança quando se trata de estabilidade econômica, como apontou a pesquisa. Apenas 28% dos brasileiros se sentem positivos em relação à economia brasileira. Os entrevistados estão também menos otimistas sobre o futuro de sua economia nos próximos 6 meses comparados a outras nações.

“O formato pré-pago permite que as pessoas tenham maior controle sobre suas finanças”, diz Roden. Por outro lado, isso também reflete como as pessoas se organizam em relação à vida financeira, em um momento em que o número de inadimplentes no Brasil aumentou devido à crise econômica.


Segundo o Mapa da Inadimplência, divulgado pela Serasa, mais de 62,25 milhões de brasileiros estavam endividados em agosto, ou seja, esta é a quantidade de pessoas com acesso restrito ao crédito e com contas vencidas. Houve um aumento de 3 milhões de inadimplentes em relação ao mês de julho.




#COTIDIANO #TECNOLOGIA


Material disponibilizado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos foi produzido em parceria com a Federação Brasileira de Terapias Cognitivas



Quando o tema é bullying, os pais devem ser o maior suporte para crianças ou adolescentes que sofrem. Para ajudar a preparar a família para lidar com o problema, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMDFDH) publicou a primeira de uma série de sete cartilhas sobre o tema. O material “A Família como suporte para lidar com o desafio do Bullying” foi resultado de uma parceria entre a Secretaria Nacional da Família (SNF/MMFDH) e a Federação Brasileira de Terapias Cognitivas.


Confira a cartilha


O conteúdo aborda, de forma lúdica, quais são os tipos de bullying, quem pode estar envolvido e como agir quando identificar alguém da família nessa situação. A iniciativa também lembra quais são os canais e caminhos de denúncia, como o Disque 100, o Conselho Tutelar e o Juizado da Infância e Juventude.


"É um tema importante especialmente porque cada vez mais as crianças, adolescentes e jovens estão inseridos no mundo das novas tecnologias, e isso tem influenciado a dinâmica das relações modernas seja positiva ou negativamente. Com a tecnologia o bullying pode ter seu alcance ampliado e muitos jovens não estão preparados para lidar com isso, daí o papel da família é fundamental para suporte a eles", aponta o diretor do departamento de desafios sociais no âmbito familiar, Daniel Celestino.



Parceria


A Federação Brasileira de Terapias Cognitivas (FBTC) é a associação nacional dos profissionais e estudantes que se dedicam ao estudo e à prática das diferentes abordagens das Terapias Cognitivas e Contextuais no Brasil. Fundada em 1998 com o objetivo de incentivar a pesquisa e a publicação dos trabalhos referentes às Terapias Cognitivas, a FBTC promove o intercâmbio científico entre profissionais e estudantes da área.


A entidade sem fins lucrativos tem parcerias estabelecidas com entidades como Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP), Associação de Estudos do Álcool e Outras Drogas (ABEAD), Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar (SBPH), entre outras.


Para mais informações: gab.snf@mdh.gov.br




#COTIDIANO